Alarmes
Um levantamento realizado pelo Instituto Sou da Paz em 2018 revelou que o risco de assaltos é quatro vezes maior na capital do que no interior do estado de São Paulo. De acordo com a pesquisa, os dez bairros mais perigosos da cidade são: Campos Elíseos, Sé, Capão Redondo, Campo Limpo, Itaim Paulista, Consolação, São Mateus, Jardim Herculano, Jaraguá e Jardim das Imbuias. No ano passado, 2,3% dos roubos foram em residências e 5% em estabelecimentos comerciais. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública. Para Robert Wagner dos Santos, especialista em segurança, residências e pontos comerciais são focos de atração para pessoas mal intencionadas e bandidos. “A maioria das casas ficam vazias durante o dia e, nos comércios, mercadorias e equipamentos valiosos ficam constantemente expostos”, explica. “Por esse motivo, investir na segurança e conhecer o que e quem está ao redor da sua residência ou loja é fundamental para evitar ameaças”, destaca. Pensando nisso, a ADT listou dez ações preventivas que podem evitar roubos e furtos, além de procedimentos corretos para agir em casos de invasão. Confira.   RESIDÊNCIAS 1. CUIDADOS PRÉVIOS Tenha números de emergência sempre em mãos, como o da Polícia Militar (190), SAMU (192), Bombeiros (193) e Disque Denúncia (181). Além disso, o número de pessoas de confiança também pode ser útil; 2. CONHEÇA SEUS VIZINHOS Faça amizade com os moradores mais próximos de sua casa. Além disso, deixe sempre o número dos vizinhos de confiança e amigos que moram próximos na lista de discagem rápida do celular ou telefone. Veja mais informações sobre Vizinhança Solidária aqui; 3. ROTINA Não deixe que ninguém perceba que você tem uma rotina. Procure alterar os trajetos e os horários e, em caso de perseguição, vá para lugares movimentados; 4. TRAVAS Nunca se esqueça de checar se todas as janelas e portas estão trancadas. Não deixe a chave-extra debaixo do tapete ou em um vaso de planta; 5. CUIDADO COM PESSOAS DESCONHECIDAS Se quiser contratar o serviço de uma pessoa para ajudar na faxina de casa, escolha alguém de confiança, de preferência com a indicação de algum amigo ou vizinho. Não abra a porta para estranhos.   COMÉRCIOS 1. CONHEÇA OS RISCOS Avalie as vulnerabilidades do estabelecimento e se previna. Preste atenção em cada detalhe que possa facilitar a ação do bandido, como áreas sem monitoramento, prateleiras escondidas, áreas pouco iluminadas etc; 2. ESTOQUE Mantenha o controle do estoque atualizado e tente fazer a conferência dos itens no fim de cada dia, o que ajuda a perceber se algo está faltando; 3. FECHAMENTOS DE CAIXAS Combine horários diferentes para a realização dessa atividade e evite fazer o fechamento dos caixas em horários de muito movimento. Evite manipular valores elevados na loja. Dê preferência para pagamentos via banco e benefícios via operadoras especializadas; 4. TEMPO PARA PROVIDÊNCIAS Tenha locais de difícil acesso na loja. Coloque obstáculos, como cadeados, para acessar objetos mais valiosos ou mesmo portas para chegar até eles; 5. ROTINAS Combine horários de abertura e fechamento da loja e converse com vizinhos para que se tornem aliados da vigilância do local. Além disso, para garantir ainda mais segurança, Santos aconselha o uso de soluções que avisem se houver invasão e que permitam pedir ajuda em situações de emergências. “O alarme monitorado, por exemplo, possui sensores que detectam abertura de portas e presença de pessoas em ambientes indesejados. Além disso, as equipes de monitoramento, disponíveis 24h, tomarão providências, como avisar os familiares e alertar a polícia, se necessário”, finaliza o especialista.